Se só tem tu, vai tu mesmo!


Não nos convenceu as tais desculpas do Neto Baiano depois de tamanha descon- sideração deste com a nação rubro negra, pois não foi só apenas à diretoria do Clube, mas principalmente a cada um de nós torcedores do Vitória.

Se as filhas dele já falavam japonês e este entre outros motivos o levaram
a cometer tamanha “burrice”, ele, Neto Baiano deveria ter sido um pouco coerente e perceber que quem serviu de “escada”, quem o valorizou para que ele fosse para Japão foi exatamente a oportunidade que o Vitória tinha dado a ele em passado recente.

Se a torcida o vaiar nos primeiros jogos será bastante compreensível, mas não nos encontrará neste grupo de torcedores, porque estaremos sempre apoiando todos que vestirem o manto rubro negro em campo.

Neto chegou no Barradão com uma “cara lisa” e meio envergonhado prometeu fazer gols o que não será nada mais do que sua obrigação como centroavante que é. E pronto. E outra: Neto Baiano não fica um dia depois de 30/06/2011, porque até lá tem contrato com o nosso clube, depois ele vá pra China, Vietnã, Coréia do Norte, Japão para onde ele bem quiser.

Para resumi toda essa história notamos que diante da dificuldade que o clube teve para encontrar um homem para trabalhar como referência dentro da área, depois de tanta procura e especulações, pelo menos temporariamente Neto Baiano resolverá essa necessidade urgente do plantel do nosso Vitória.



Petkovic é marketing garantido


A contratação de Pet é algo urgente para o Vitoria. A contratação do sérvio não será a solução dentro de campo. Ali ele poderá ajudar bastante, mas será o carro chefe na busca de recursos através do Departamento de Marketing do Clube.

Os bons exemplos devem ser seguidos, sabiamente nossos pais nos disseram isso. Se procurarmos bons exemplos vemos o Ronaldo no Corinthians que mesmo fora de forma física resolveu todos os problemas de caixa do clube paulistano nos últimos anos. Agora no Flamengo mesmo sem estrear Ronaldinho Gaúcho encheu todos os estádios nos três primeiros jogos do campeonato carioca de 2011, vende produtos do clube de montão, e em boa condição física comandará o Flamengo dentro de campo.

Pet não precisará jogar todos os jogos do Vitória, pois com 38 anos não daria, o que caberia um cronograma especial da preparação física, mas certamente captará recursos para o caixa, os quais sem ele não conseguiríamos.

E mais, a vinda de Petkovic para o Vitória é uma possibilidade considerada tanto pelo Flamengo como pelo atleta.

Então Alexi, coloca o Departamento de Marketing e toda nossa diretoria em ação, e mãos à obra.



Futebol ainda é amador por aqui


 É certo que futebol é, e sempre foi uma caixinha de surpresa, mas as surpresas do futebol deixam as quatro linhas do campo e passam a surgir nos gabinetes dos cartolas tupiniquins.

Buscando entender de forma bem realista certas transações de venda, compra e dispensa de atletas em clubes baianos, digo, no Vitoria e Bahia, vejo um amadorismo bem latente. Quero citar aqui que também no universo nacional o profissionalismo só está presente em meia dúzia de clubes.

Depois das férias de final de ano as surpresas do futebol baiano vieram logo nos anúncios das dispensas (as malfadadas listas) que são divulgadas antes das contratações para a temporada atual.

No Vitória depois da sua queda à segunda divisão, causada apenas por motivações internas ao clube que aos poucos vêem à tona, pois é inaceitável para um clube de primeira divisão em seus últimos dez jogos do segundo turno empatar cinco jogos, perder três e ganhar apenas dois (uma vitória a mais a situação era outra para o Vitória em 2011).

Nos primeiros atos da diretoria em 2011 denuncia a formação de “panelinha” dentro da equipe no final do Brasileiro de 2010: “o rei da Toca” Ramon, o “Pitbull” Vanderson, e Lee o goleiro revelação são dispensados. Fernando, Soares, e Renato entre outros, saem do clube falando marimbondos. E mais, a manutenção do Delegado Antonio Lopes (conhecido disciplinador) na direção técnica dos profissionais não me deixam mentir.

Não dá para entender que a direção de um clube profissional como o Vitória perca ‘”as rédeas” disciplinares de seus comandados chegando ao ponto de levá-lo à segunda divisão. E esta direção oculta tal fatos de uma forma política buscando reverter a situação.
Em nossa opinião, faltou apenas profissionalismo aos dirigentes rubro negros.


Já no Bahia (falo neste clube, pois neste caso envolve diretamente o Vitória) o Deputado/Presidente deu a maior das pérolas das negociações de inicio de temporada no futebol baiano: dispensou ALISON, zagueiro de 27 anos (foto), depois de passar um bom tempo recuperando o atleta de contusões. No máximo o manteria no clube por um ou duas temporadas para que o jovem atleta (reconhecidamente craque de bola) tivesse tempo e oportunidade de praticar o seu futebol e conseqüentemente dar retorno financeiro ao clube.

Mas não.

Puro amadorismo.

O Bahia dispensou o atleta que ainda ficou a esperar que os amadores/ dirigentes (mas políticos/profissionais) refletissem sobre o assunto.

Enfim, Alison é, até dezembro de 2011, 12, 13... zagueiro do nosso Vitória começando muito bem a temporada.


0 Comentários